1 000

2006.Outubro.31

Acabámos de assistir à visita número mil.

Nestas três semanas foram nossos companheiros de viagem mais de mil viajantes. Europa, América e Ásia foram os continentes representados. Navegantes do Brasil, Estados Unidos, Japão, Reino Unido e Equador “surfaram” connosco durante alguns minutos.

A sexta-feira (dia 20 – 130 visitas; dia 27 – 127 visitas) tem sido o dia preferido para viajarem por aqui.

Agradecemos os minutos que cada um gastou connosco e as mensagens que nos enviaram. A tua presença é a nossa esperança no futuro desta viagem e contribui para a nossa felicidade.

Estamos numa fase ainda inicial e temos tido algumas dificuldades em colocar os alunos do 3º Ciclo inscritos em Educação Moral e Religiosa Católica como autores deste blog. Pensamos que o mais difícil está feito e brevemente terás a actualização diária desta página.

Queremos que este espaço seja a continuação das nossas aulas, onde todos (mesmo os que não frequentam EMRC) têm a oportunidade de partilhar as suas ideias e sentimentos.


O valor da amizade

2006.Outubro.30

O que é um verdadeiro amigo?

Disse um soldado ao seu comandante:
-“O meu amigo não voltou do campo de batalha. Meu comandante, solicito autorização para ir buscá-lo.”
Respondeu o oficial:
-“Autorização negada! Não quero que arrisques a tua vida por um homem que, provavelmente, está morto!”
O soldado, ignorando a proibição, saiu.  Uma hora mais tarde voltou mortalmente ferido, transportando o cadáver do seu amigo.
O oficial estava furioso:
-“Eu não te disse que ele estava morto?! Diz-me: valia a pena ir até lá para trazer um cadáver?”
E o soldado, moribundo, respondeu:
-“Claro que sim, meu comandante!
Quando o encontrei, ele ainda estava vivo e disse-me:

– “Tinha a certeza que virias!”


O Comboio da Vida

2006.Outubro.17

Algum tempo atrás, li um livro que comparava a vida com uma viagem de comboio.
Uma leitura extremamente interessante, quando é bem interpretada…
A vida não é mais do que uma viagem de comboio:
Repleto de embarques e desembarques, salpicado por acidentes, surpresas agradáveis em algumas estações e profundas tristezas noutras.
Ao nascer, subimos para o comboio e encontramo-nos com algumas pessoas que acreditamos que estarão sempre connosco nesta viagem: os nossos PAIS.
Lamentavelmente, a verdade é outra.
Eles sairão em alguma estação, deixando-nos órfãos do seu carinho, amizade e da sua companhia insubstituível.
Apesar disto, nada impede que entrem outras pessoas que serão muito especiais para nós.
Chegam os nossos irmãos, amigos e esses maravilhosos amores.
De entre as pessoas que apanham este comboio, também haverá quem o faça como um simples passeio.
Outros, só encontrarão tristeza nessa viagem…
E outros também, que circulando pelo comboio, estarão sempre prontos para ajudar quem precisa.
Muitos, quando descem do comboio, deixam uma permanente saudade…
Outros passam tão despercebidos que nem reparamos que desocuparam o lugar.
Às vezes, é curioso constatar que alguns passageiros, que nos são muito queridos, se instalam noutras carruagens, diferentes da nossa.
Assim, temos de fazer o trajecto separados deles.
Mas, nada nos impede que, durante a viagem, percorramos a nossa carruagem com alguma dificuldade e cheguemos até eles…
Mas, lamentavelmente, já não nos poderemos sentar ao seu lado, pois estará outra pessoa a ocupar o lugar.
Não importa. A viagem faz-se deste modo: cheio de desafios, sonhos, fantasias, esperas e despedidas… mas nunca de retornos.
Então, façamos esta viagem da melhor maneira possível…
Tratemos de nos relacionar bem com todos os passageiros, procurando em cada um, o melhor deles.
Recordemos sempre que em algum ponto do trajecto, eles poderão hesitar ou vacilar e, provavelmente, vamos precisar de os entender…
Como nós também vacilamos muitas vezes, sempre haverá alguém que nos compreenda.
No fim, o grande mistério é que nunca saberemos em que estação vamos sair, nem, muito menos, onde sairão os nossos companheiros, nem sequer, aquele que está sentado ao nosso lado.
Fico a pensar se, quando sair do comboio, sentirei nostalgia…
Acredito que sim.
Separar-me de alguns amigos com quem fiz a viagem, será doloroso.
Deixar que os meus filhos sigam sozinhos, será muito triste.
Mas agarro-me à esperança que, em algum momento, chegarei à estação principal e terei a grande emoção de vê-los chegar com uma bagagem que não tinham quando embarcaram.
O que me fará feliz, será pensar que colaborei para que a sua bagagem crescesse e se tornasse valiosa.
Meu amigo, façamos com que a nossa estadia neste comboio seja tranquila e que tenha valido a pena.
Esforcemo-nos para que, quando chegue o momento de desembarcar, o nosso lugar vazio deixe saudades e umas lindas recordações para todos os que continuam a viagem.
Para ti, que és parte do meu comboio, desejo-te uma…
… Viagem Feliz…


A força

2006.Outubro.13

Uma criança estava a tentar levantar uma pedra.
Mas a pedra era grande e por mais que se esforçasse não conseguia.
O pai que observa o facto perguntou-lhe:
“- Tens a certeza que estás a usar toda a tua força?”
“- Sim, tenho!”- respondeu o filho.
“- É que ainda não pediste a minha ajuda!”


Decálogo do educando

2006.Outubro.10

1. Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu ser, único e irrepetível! Amá-lo-ás com toda a tua inteligência esclarecida, com toda a tua vontade activa e com todo o teu coração, capaz de amar e de se deixar amar. No teu esforço de saber e de conhecer, de aprender e de crescer, de estudar e de conviver, encontrarás sempre Deus, bem dentro de ti e à tua volta, tão próximo de ti, como acima de todas as coisas. Só na sua luz, verás a Luz!

2. Não invocarás o santo nome de Deus em vão. Este Deus, que te criou sem ti, não age sem ti nem contra ti. Não o chames, nem contes com Ele, para aquilo que tu mesmo podes e deves fazer todos os dias: é teu dever estudar, é teu dever participar nas actividades da catequese, é teu dever colaborar na vida familiar, empenhando-te na tua educação integral. Deus não é teu concorrente nem teu substituto; não é a tua sombra, nem o teu vigia. Ele tem o nome e o rosto humano de Jesus Cristo. E serás tanto mais pessoa, quanto mais te deixares moldar e modelar por Ele.

3. Guardarás o descanso e saberás fazer a festa, não para fugires às responsabilidades do quotidiano, mas para refazeres as tuas energias, físicas e espirituais, e para experimentares a beleza da amizade, na alegria de irmãos que se encontram. E aproveitarás o intervalo, como tempo e espaço de vivência alegre na convivência feliz com os outros. Sê assíduo, pontual e empenhado no cumprimento de todos os teus deveres e o teu tempo livre dilatar-se-á.

4. Honrarás pai e mãe. Saberás que, apesar de algumas das suas fraquezas, eles te amam, mais do que ninguém, e que a eles deves a tua vida. Reconhece a sua experiência e a sabedoria aprendida no esforço quotidiano de lutar pelo bem da família. E, não esqueças que os demais educadores são verdadeiros colaboradores dos teus pais, que por terem escolhido dedicar-se à tua educação, te merecem idêntico respeito, interesse e obediência.

5. Cuidarás da saúde do teu corpo e do teu espírito com uma alimentação e uma vida saudáveis, rejeitando o consumo de tudo o que se destine a destruir-te ou a diminuir-te. Não matarás o teu tempo, com ruídos perturbadores ou passatempos inúteis, que prejudiquem a tua saúde ou equilíbrio pessoais. Não matarás o teu próximo, com o teu olhar indiferente, com alguma palavra ofensiva, ou com qualquer gesto desprezível e violento. Acima de tudo, amarás a vida, com a sua beleza e exigência, com todas as suas dádivas e desafios.

6. Guardarás a integridade e autenticidade de coração, em todas as tuas palavras e gestos. Só a delicadeza da tua linguagem pode dar beleza às tuas expressões. Os teus gestos são palavras visíveis. Não descuides, por isso, a atenção devida ao outro, seja ele teu colega ou educador; prima pela simpatia, pela presença solícita, de modo a suscitares, entre todos, o calor da verdadeira amizade.

7. Saberás respeitar o que não é teu e jamais dirás que é teu aquilo que não te pertence. Aprenderás assim a valorizar o que, na Escola, na Paróquia, nos espaços que frequentas, é de todos. Porque os bens públicos são de todos e não são só teus, esforçar-te-ás por melhorar e enriquecer aquilo que recebeste. Deves zelar pela preservação, conservação e asseio das instalações, material didáctico, mobiliário, equipamentos e espaços verdes, fazendo uso correcto dos mesmos.

8. Procurarás a verdade, marca indelével da dignidade humana. Chegarás à verdade, pela via da razão, com o esforço persistente da tua inteligência! Mas a verdade, estará sempre para lá da razão; escuta-a, bem inscrita no teu coração! Essa verdade, também chegará a ti, pela via da fé. Porque és cristão, podes contemplar em Jesus Cristo, a palavra e o rosto, o caminho e o esplendor dessa Verdade.

9. Guardarás a bondade dos teus pensamentos e dominarás, com equilíbrio, a fantasia do teu desejo. Conserva na tua mente e no teu coração somente o que simultaneamente te edifica e engrandece o outro! A integridade dos teus sentimentos conduzirá, por bom caminho, toda a tua energia afectiva: o teu desejo de ser amado, a tua grande capacidade de amar.

10. Não cobiçarás as coisas alheias, evitando qualquer espécie de ciúme e inveja, por causa daquilo que o outro é, sabe ou possui. Antes de pensares no que poderias ter, lembra-te, primeiro, do muito que tens para dar. Na verdade, cada um só vale por aquilo que dá. Partilha, com alegria, o teu ser, o teu ter, o teu saber e o teu modo de fazer.

Saberes o que fazer da tua vida, a quem ou por quem a entregar, é a principal tarefa que tens pela frente. A vida é um dom que se recebe, para se tornar um dom que se oferece. Faz isto e serás feliz.

SNEC, 2006. Setembro


As aulas de EMRC

2006.Outubro.9

Certo dia, uma criança caminhava pela praia…
Ela pensava assim:
Se eu tivesse uma PlayStation, seria feliz;
Se eu tivesse um quarto radical, seria feliz;
Se eu não tivesse que estudar, seria feliz;
Se eu tivesse um look baril, seria feliz…
De repente…
tropeçou numa MOCHILA cheia de pedras.
“Logo havia de aqui estar estes pedregulhos!…”
Aborrecida… chateada… começou a atirar ao mar as pedrinhas, uma a uma, e dizia:
«Seria feliz se tivesse…»
Foi atirando, até que ficou com uma pedrinha na MOCHILA…
e decidiu guardá-la.
Ao chegar a casa, percebeu que aquela pedrinha era um diamante muito valioso.
Imagina quantos diamantes atirou ao mar… sem parar para pensar?!
É PENA… Mas está feito!…
Assim são as pessoas…
Atiram fora os tesouros preciosos que estão ali tão perto, mesmo à mão de semear, na porta ao lado… não dando valor ao que têm perto delas!
STOP!
Pára, observa e decide… nas tuas opções está a tua felicidade.
Cada pedrinha deve ser observada… pode ser um diamante valioso!
Não desperdices as oportunidades que a vida te dá.
Decide hoje!
Amanhã pode ser tarde!
E tu, o que tens feito aos diamantes que vais encontrando no teu caminho?
Família, amigos, amor, estudo, fraternidade, honestidade
E até mesmo com a tua Vida?!
Provavelmente, estão no fundo do mar…
Verdade?!
Não atiraste as pedrinhas?…
Vai uma aposta?!…
Apostado!
Diz-me, então, um segredo:
«Estás inscrito em Moral?…»
NÃO?!…
E ainda tens coragem para me dizer que não andas a desperdiçar diamantes?!
É preciso muito descaramento!
Com as aulas de Educação Moral e Religiosa Católica podes recuperar as pedrinhas desperdiçadas…
Moral = Mochila de Diamantes

Adaptado pela EN , in http://www.emrcdigital.com


Bem-vindo!

2006.Outubro.9

Olá!
Sê bem-vindo a este outro espaço de partilha.
Depois do trabalho realizado até aqui, vemos o espaço que pensámos aberto a todos.
Foi um trabalho longo, de escuta, partilha, criatividade, escolha… mas valeu a pena. E o contributo de cada um foi fundamental para chegarmos aqui.
Mas esta não é a meta, foi só a primeira etapa.
Vamos fazer caminho, companheiros de viagem!

_uacct = “UA-793678-1”;
urchinTracker();